L.A. e o amor em verso

O mundo realmente é grande e a única coisa que nos faz pisar com certeza é o amor. Amor de família, de quem ensina, de amigos que guardaremos para sempre em nossa memória. Afinal, recordar transcende corpo e lava a alma com o encontro proporcionado pelas sincronicidades da vida.

Conhecer e conviver com o L.A. é isso para mim: a certeza da sabedoria do destino combinado aos nossos gestos.

Já em sala de aula como aluno, eu sabia que havia encontrado muito mais que um professor. E não tardou para nossa amizade sair da universidade, conquistar o respeito de mentor-pupilo, pai-filho. Sempre com admiração mútua mantivemos um diálogo sincero e aberto, daqueles que aquecem e abrilhantam a rotina dos dias nesta terra.

Lembro-me bem do meu último ano da faculdade, quando corri pra sua sala na semana final de aulas. Lágrima nos olhos, contei de minhas tristezas, do meu coração partido pelo mundo com o qual eu ainda não havia aprendido a lidar. Mostrei o manuscrito de meu primeiro livro e nele a página em que o L.A. aparecia, tamanha a sua importância em meu mundo.

Revoltado que estava disse a ele que não sabia o que fazer com uma obra pronta, confessei que minha vontade era simplesmente queimá-la. O grande mentor me disse com paciência: “Espere a hora certa e você saberá o que fazer.” Hoje, depois de haver achado minha estrada literária, escrevo este prefácio – imensa honra – com lágrimas dividindo o espaço do meu brilho no olhar.

Acredito que nosso tempo de vida é feito exclusivamente disso: das pessoas que encontramos, da intensidade contida na emoção, dos momentos que dividimos e da ajuda que recebemos e oferecemos. Deixar de ajudar é desperdiçar nossos preciosos dias. Deixar de dizer a quem queremos tão bem faz morrer a esperança do amor em cada canto. Deixar de fazer arte é matar a sensibilidade de desgosto.

Por isso, minha escolha é colorir o mundo com palavras, sem me render jamais às exigências do “tenho-que”. Escolha esta que aprendi com esse admirável homem que superou corporações, doenças e decepções com sua paixão por viver.

Este livro de poesias é isso: o L.A. entregue ao mundo. É meu grande amigo mostrando que poesia não tem hora nem tamanho. Ela só precisa de mentes brilhantes e atentas aos belíssimos detalhes que nos rodeiam. Tudo porque nossa jornada só existe no agora, entrelinha de um verso enfeitado de amor.

Lançamento do Livro do L.A. ocorrerá dia 29/11/13.

Em breve mais informações.

« Voltar