Dia da Independência da Rússia

Texto que escrevi em 2008 sobre o “Dia dos Namorados”. O original você confere aqui.

Doze de junho do ano de 2008 e vou direto ao assunto: é o dia da independência da Rússia. Para alguns é dia do Beagle também. Para outros, é o dia da independência de Filipinas. E, para os entusiastas do serviço do sedex, é o dia do Correio Aéreo Nacional. Datas menores se comparadas com a libertação da grande pátria e grande estado progenitor da vodka. É um dia para ser celebrado e lembrado, embora o fato de comemorar-se que os Russos se livraram do domínio comunista em 1990 seja um pouco confuso, uma vez que eles que criaram o troço, ou melhor, adaptaram a idéia do Karlinhos de um jeitão meio-que-meio.

Ainda assim, esses pormenores filosóficos que dizem respeito à causa e à conseqüência das coisas não se constituem como elemento central deste texto. O importante mesmo é a conclusão à qual chegarei em poucas linhas: se é dia de comemorar a independência da Rússia, por conseqüência, é o dia da vodka.

Os grandes pesquisadores de internet do mundo nem se incomodem de me convencer do contrário. É o dia da vodka e pronto! E, se é dia da vodka, então, não é dia dos namorados.

Não é dia de receber ligações dos amigos mais sacanas que fazem questão de desdenharem da sua condição. Não é dia de receber emails dos restaurantes convidando você e sua namorada inexistente para saborear uma deliciosa pasta com vinho. Não é dia de abrir o jornal em busca das notícias sérias sobre economia, política e cultura e só encontrar casos de casais apaixonados.

Hoje não é um dia desses simplesmente porque a Grande Mãe Rússia está livre: é dia da vodka.

E, como diria um grande amigo, “tudo na vida é melhor com vodka” e isso inclui datas comemorativas criadas pelos capitalistas selvagens para lotar os estabelecimentos comerciais como: salões de beleza e de depilação, restaurantes caros, lojas de shoppings, casas de massagens e o setor da depressão dos supermercados, popularmente conhecido como área dos sorvetes e chocolates.

Tudo bem que nosso querido país se livrou do comunismo, mas não vamos apelar para o consumismo desvairado dessa data de namorados que impele a todos a gastar dinheiro de algum jeito: comprando presentes ou adquirindo produtos alimentícios que liberam endorfina.

Então, em homenagem à Rússia eu convido a todos aqueles que são adeptos dos 5S apenas no dia 12 de junho – Solteiros, Sacudos, Solitários, Sociáveis e Socialistas – a se libertarem do consumismo da data mais depressiva criada pelo homem depois do natal e do próprio aniversário. Libertem-se como a Grande Pátria fez. Libertem-se e brindem com vodka.

Poema que o Leonardo Gaede fez com base no meu texto:

« Voltar