Amar é meu lugar

Nasci ao meio-dia de noite de lua cheia. Sonhei já no primeiro instante. Cresci, vi a vida chegar perto, levar pessoas e coisas pra longe, numa ordem natural do que pode acontecer. Amei, sou filho, irmão, sobrinho, primo, amigo, professor, escritor, publicitário e até cartomante. Dei meus passos escutando o Seu Belão e, de tanta sabedoria dele, virei idealista, subversivo, teimoso, enfático daqueles que perdoam fácil, apaixonado pelo detalhe e até delirante nas palavras. Sou a soma de meus traumas, meus passos e minhas conquistas. Sou todos que me amam na medida da força que sinto o universo pulsar. Mas, acima de tudo, sou meu gesto de hoje, sou o que faço com o presente. Agora voltou a lua cheia do dia de meu nome. Logo alcanço o meio-dia. Sem medo do tempo, sigo essa loucura de viver em que nada nos pertence e tudo é nosso. Abraço meus dois filhos, livros queridos que jamais envelhecerão. Saúdo Tito Tassus e minhas outras personalidades quixotescas. Trabalho com meu allstar, passo sorriso no rosto, misturo rock com poesia, meu samba com amor e minha bossa com a paz de se saber desfrutar. Sou grato ao ritmo que, segundo as regras herméticas, é compensação. Sinto gratidão também pelas cicatrizes de corpo e alma, pelos tombos e por seguir levantando. Se aprendi com o erro, agora ele virou meu amigo de bar. Que novos erros se juntem, desce mais uma gelada. Tomemos um bom vinho. E, se desde que nascemos não existe mais volta, que meu desejo se torne explosão, gozo do por do sol. Por isso, com minha companheira página em branco, começo mais um década. Paixão num bolso e vontade no outro: hoje sou pleno. E o brilho de meu olhar reflete meu infinito sonho de cada instante. Tudo porque nasci ao meio-dia de noite de lua cheia e amar é meu lugar.

« Voltar